Pandemia traz desafios para pais e pode causar mudança de comportamento nas crianças

Simone Ferreira da Silva Domingues, coordenadora do curso de Psicologia da Universidade Cruzeiro do Sul, aponta a importância da interação social no desenvolvimento infantil e aborda como os pais e cuidadores podem lidar com essa situação

Por razões ainda desconhecidas pelos cientistas, as crianças são menos afetadas pelo novo coronavírus (Covid-19) mas, as regras de isolamento social e higiene devem ser seguidas normalmente com os pequenos. Com quase três meses de aulas presenciais suspensas, muitos pais, de casa, devido à quarentena, dividem a suas atividades sociais com as tarefas escolares dos filhos.

Segundo a professora Drª. Simone Ferreira da Silva Domingues, coordenadora do Curso de Psicologia da Universidade Cruzeiro do Sul, o cenário atual reflete um grande desafio relacionado ao desenvolvimento das habilidades sociais. Apesar das crianças estarem na companhia dos pais, a interação com outras crianças é muito importante para o desenvolvimento dessa habilidade. “A partir dos dois anos de idade a criança começa a se independer dos pais e interagir com outras crianças. Essa interação permite a criança observar e experimentar outras formas de reagir, diferente das que conhece com os adultos, podendo desenvolver outras formas de lidar com seu mundo social”, comenta.

A psicóloga aponta que o convívio escolar é essencial para o desenvolvimento físico e social da criança. Para Simone, a escola é um espaço privilegiado para a criança exercitar o desenvolvimento das habilidades sociais, como exemplo, inferir e atribui pensamentos e sentimentos aos outros e experimentar regras e limites. “O adulto auxilia muito no desenvolvimento dessa habilidade, mas é no convívio com outras crianças que elas exercitam e desenvolvem essas habilidades, através das brincadeiras e jogos educativos”, avalia a doutora.

Simone alerta os cuidadores quanto ao tempo de exposição das crianças com os meios eletrônicos durante a pandemia, haja vista que é a partir da tecnologia que as crianças estudam, interagem e se divertem. “Os pais precisam saber dosar o tempo de uso, independentemente da idade. É importante desenvolver atividades que permitam ampliar a capacidade de autocontrole físico e emocional dessas crianças, além de criar algumas brincadeiras que permitam interação e movimento”, salienta.

Outra questão que precisa ser avaliada, diz respeito à quebra da rotina, como o afastamento de pessoas queridas e familiares, o que pode gerar nos pequenos um comportamento de ansiedade e angústia. “Quanto menor a criança, maior a dificuldade para entender o motivo de não poder estar com as pessoas que gosta. Temos que ter paciência para lidar com as emoções que podem ser geradas desse distanciamento e os pais podem auxiliar encorajando a criança falar sobre seus sentimentos”. ressalta.

Por fim, a Drª. Simone argumenta que esse momento de pandemia é único e afeta o comportamento de todos, sobretudo quanto à capacidade de desenvolvermos o autocontrole das emoções. “Temos que exercitar nossa capacidade de se colocar no lugar do outro, para anteciparmos reações e sentimentos. Como as crianças prestam muita atenção nos comportamentos dos adultos e, nesse momento estão convivendo mais com eles do que com seus colegas, se soubermos lidar melhor com nossos sentimentos, podemos proporcionar a elas formas mais assertivas de se desenvolverem socialmente”, conclui.

via Universidade Cruzeiro do Sul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *