Espetáculo trata das descobertas, limites e imaginação das crianças

Cia dos Pés estreia “Pequenos Olhos” no Itaú Cultural; espetáculo trata das descobertas, limites e imaginação das crianças

Em abril chega à cidade o mais novo espetáculo da Cia dos Pés, formada por Angélica Zignani e Kesler Jamal. Voltado à primeira infância (0 a 6 anos), Pequenos Olhos faz duas únicas apresentações no Itaú Cultural dias 21 e 22 de abril, gratuitas.

Na relação familiar entre adultos e crianças, o que é cuidado e o que aprisiona? Qual o limite entre proteção e prisão? Tocada pela maternidade no âmbito pessoal de sua vida, a artista Angélica Zignani procurou na arte a resposta de como proteger sem aprisionar.

As manifestações infantis de sua pequena filha somadas ao cenário proposto por Kesler Jamal, foram mote para o desenvolvimento do espetáculo Pequenos Olhos. Uma caixa grande, com alguns vãos, com entradas e saídas, para “fragmentar o corpo, dar foco às pequenas partes do ator em cena, porque queríamos centrar no olhar da criança para o mundo, seus limites para além do útero, da casa, do conhecido” explica Angélica Zignani, que ainda acrescenta: “a entrada do dramaturgo Marcelo Romagnoli no projeto foi determinante para a construção e finalização do texto”.

SINOPSE

A curiosidade é o quintal desta história. O mundo de um dia sendo descoberto nos pequenos detalhes. Duas crianças transformam a rotina em aventura e sem se dar conta, percebem que crescer é sozinho, às vezes sem mãos para nos mostrar caminhos e sem braços para nos proteger.

PEQUENOS OLHOS

O mundo lá fora é maior do que nossa imaginação? Quem nós podemos ser fora de nossas paredes de proteção? O nascimento é uma abertura para o imenso. Conhecer é o que nos torna únicos. Os olhos precisam ver, as mãos tocar, as sensações chegarem e ocuparem o corpo, assim a nossa identidade pode se estabelecer. Pequenos Olhos busca o mundo lá fora como uma chave para a liberdade da existência. Aborda a criança que começa a se sentir indivíduo e com sua identidade busca o conhecimento que a define.

Neste espetáculo a perspectiva tem o enfoque na experimentação através do corpo e se comunica com todos os públicos, mas se destina a crianças a partir dos quatro anos. Essa criança que a partir deste momento já deixou completamente de ser um bebê para se transformar em um ser autônomo que é capaz de raciocinar sozinho.

Dib Carneiro sobre Pequenos Olhos

UMA PÉROLA COM LINGUAGEM CÊNICA MISTA

Outra pérola do festival foi Pequenos Olhos, da Cia. dos Pés, com dramaturgia e direção de Angélica Zignani, que contou com um orientador para a criação da dramaturgia, o premiado Marcelo Romagnoli, da Banda Mirim, de São Paulo. O espetáculo é bastante sensorial, ou seja, estimula bastante as sensações e os sentidos das crianças da plateia, com muita cor, texturas, movimentos, gestual, coreografias, olhares, uma trilha cadenciada e rica em percussão, enfim, estímulos de todo tipo. Por isso, é ideal para a primeira infância (0 a 6 anos). Mas tem em si uma carga muito forte de poesia, o que acaba por atrair também o olhar atento dos adultos. Os temas são muito sérios e pertinentes, mas aparecem sugeridos por meio desses estímulos, sem pregações, sem ensinamentos, com puro requinte visual e a força das metáforas e simbologias: crueldade, amizade, medo, raiva, agressividade, posse, descobertas, solidariedade, solidão.

“O mundo de um dia sendo descoberto nos pequenos detalhes”, como bem resumia a sinopse no programa do festival. Angélica, a criadora e diretora, fica em cena ao lado de Mariane Cerilo, e a química entre as duas funciona bastante. As duas conseguem ser meninas o tempo todo, graças à delicadeza corporal e à sensibilidade para reproduzir comportamentos infantis no palco sem cair em facilidades caricaturais. Sem enredo linear, sem uma fábula com começo, meio e fim, sem recursos tradicionais de narrativa, Pequenos Olhos causa um estranhamento saudável no público e, assim, consegue ser um digníssimo representante dos espetáculos de linguagem cênica mista: teatro, dança, mímica, música e, sobretudo, talento, muito talento. DIB CARNEIRO (crítico de teatro infanto-juveni)

Serviço
Pequenos Olhos
Dias 21 e 22 de abril de 2018, às 16h.
Local: Itaú Cultural – Sala Multiuso I
Av. Paulista, 149 – Jardim Paulista
Duração: 50 min/ Recomendação: livre
Grátis – Retirada de ingresso: 2h de antecedência para público preferencial | 1h de antecedência para público não preferencial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *